Maison

IMPLANTES DENTÁRIOS

Um Implante é um dispositivo médico criado para substituir ou actuar como uma estrutura biológica ausente do corpo.

Os Implantes Dentários são realizados há mais de 50 anos, sendo um procedimento seguro, previsível e com grande durabilidade.

Substituem de uma forma fixa os dentes perdidos, permitindo restabelecer a função mastigatória e a aparência visual, devolvendo a confiança, a auto-estima e a possibilidade de sorrir sem complexos.

Os Implantes Dentários são colocados no osso, com o recurso a uma pequena anestesia local, sendo um procedimento cirúrgico simples, rápido e indolor.
Substituir dentes perdidos de forma fixa VER TRATAMENTOS

Pode repor com os implantes um único dente perdido ou até uma dentição completa.

No caso de um único dente em falta, o implante é colocado no osso, ao qual vai ficar “agarrado”, e funciona como uma nova raíz (artificial). O implante propriamente dito não é visível a olho nu pois ficará inserido dentro do osso, tal como as raízes dos nossos dentes naturais, que também não são visíveis.

Sobre o implante é depois fixa uma coroa em cerâmica, semelhante às coroas cerâmicas artificiais que colocamos nos nossos dentes naturais muito destruídos. Esta coroa em cerâmica é a parte visível do implante dentário.
Substituir um único dente VER TRATAMENTOS

todos No caso de uma dentição completa perdida ou ausente, os implantes colocados no osso não funcionam como raízes artificiais dos dentes, mas sim de uma forma semelhante aos pilares de uma construção de um edifício ou de uma ponte.

Ou seja, não é colocado um implante por cada dente em falta, mas sim apenas 4 a 6 implantes (pilares), sobre os quais é fixa uma estrutura de cerâmica em forma de ponte com uma dentição completa de 14 dentes, semelhante à fotografia ao lado.
Substituir todos os dentes VER TRATAMENTOS

Substituir dentes perdidos de forma fixa

Os Implantes Dentários são realizados há mais de 50 anos, sendo um procedimento seguro, previsível e com grande durabilidade.

Substituem de uma forma fixa os dentes perdidos, permitindo restabelecer a função mastigatória e a aparência visual, devolvendo a confiança, a auto-estima e a possibilidade de sorrir sem complexos.

Os Implantes Dentários são colocados no osso, com o recurso a uma pequena anestesia local, sendo um procedimento cirúrgico simples, rápido e indolor.

Substituir um único dente

Pode repor com os implantes um único dente perdido ou até uma dentição completa.

No caso de um único dente em falta, o implante é colocado no osso, ao qual vai ficar “agarrado”, e funciona como uma nova raíz (artificial). O implante propriamente dito não é visível a olho nu pois ficará inserido dentro do osso, tal como as raízes dos nossos dentes naturais, que também não são visíveis.

Sobre o implante é depois fixa uma coroa em cerâmica, semelhante às coroas cerâmicas artificiais que colocamos nos nossos dentes naturais muito destruídos. Esta coroa em cerâmica é a parte visível do implante dentário.

Substituir todos os dentes

No caso de uma dentição completa perdida ou ausente, os implantes colocados no osso não funcionam como raízes artificiais dos dentes, mas sim de uma forma semelhante aos pilares de uma construção de um edifício ou de uma ponte.

Ou seja, não é colocado um implante por cada dente em falta, mas sim apenas 4 a 6 implantes (pilares), sobre os quais é fixa uma estrutura de cerâmica em forma de ponte com uma dentição completa de 14 dentes, semelhante à fotografia ao lado.

Quer saber mais?

Qual a durabilidade dos Implantes Dentários?

Os implantes dentários, tal como os nossos dentes naturais, devem ser sujeitos a uma higiene oral regular diária, bem como a consultas de manutenção que podem ser anuais, semestrais ou até trimestrais, dependendo das circunstâncias. Se correctamente mantidos e higienizados os implantes dentários podem durar décadas.

O que é o All-on-4?

O All-on-4, tradução portuguesa do inglês: “tudo sobre 4”, significa precisamente a colocação de uma dentição completa com 14 dentes em forma de ponte cerâmica sobre 4 implantes que funcionam como pilares, aos quais ela é fixa.

O número de implantes pilares que servem de suporte para uma dentição completa fixa em cerâmica pode variar de 4 a 6 implantes, dependo das condições e da qualidade do osso dos maxilares.

Que tipos de implantes existem?

Existem centenas de marcas de implantes, mas apenas dois materiais são usados na confecção dos implantes: o titânio e a zirconia. O titânio é o material mais usado e representa cerca de 99% de todos implantes produzidos e utilizados em medicina dentária.

Não existe o melhor implante, existe sim o implante mais adequado ou indicado para cada caso. O estudo e o planeamento do seu caso são etapas muito importantes para a escolha correcta do tipo de implante a usar no seu tratamento.

Quais são as etapas de um tratamento com implantes?

Um tratamento com implantes é normalmente realizado em 3 etapas:

A primeira etapa corresponde ao diagnóstico e à realização de um plano de tratamento e orçamento. Esta etapa é concretizada na primeira consulta, salvo algumas excepções, como a necessidade de realização de exames radiológicos complementares.

A segunda etapa corresponde à realização de uma pequena cirurgia para a colocação dos implantes no osso, e à fixação de dentes provisórios sobre os implantes, no mesmo dia.

A terceira etapa tem lugar 3 a 6 meses após a segunda etapa e corresponde à fixação dos dentes fixos definitivos em cerâmica sobre os implantes.

É possível colocar dentes fixos no mesmo dia em que se colocam os implantes?

Sim, é possível colocar dentes fixos no mesmo dia da cirurgia para a colocação dos implantes. Esse procedimento designa-se de “carga imediata” e é realizado nos casos em que a ausência dos dentes compromete a aparência, a estética e a mastigação.

Esses dentes fixos são provisórios, e serão substituídos por dentes definitivos em cerâmica cerca de 3 a 6 meses após a cirurgia.

Quem pode e quem não pode fazer implantes?

Podem fazer implantes os pacientes que têm 1 ou mais dentes perdidos ou ausentes, e que apresentam disponibilidade óssea para o fazer. A disponibilidade óssea é aferida através da realização de exames radiológicos (ortopantomografia e TAC).

Alguns pacientes, pela sua condição de saúde, podem apresentar contra-indicações para a realização de implantes ou podem ter um risco aumentado de os implantes falharem. São elas: a diabetes não compensada, radioterapia, doenças psiquiátricas que impedem a colaboração, entre outras. Contudo não são contra-indicações absolutas e cada caso deve ser avaliado em conjunto com o médico dentista, o paciente e o médico especialista que o segue nessas doenças.

Quem pode e quem não pode fazer implantes?

Podem fazer implantes os pacientes que têm 1 ou mais dentes perdidos ou ausentes, e que apresentam disponibilidade óssea para o fazer. A disponibilidade óssea é aferida através da realização de exames radiológicos (ortopantomografia e TAC).

Alguns pacientes, pela sua condição de saúde, podem apresentar contra-indicações para a realização de implantes ou podem ter um risco aumentado de os implantes falharem. São elas: a diabetes não compensada, radioterapia, doenças psiquiátricas que impedem a colaboração, entre outras. Contudo não são contra-indicações absolutas e cada caso deve ser avaliado em conjunto com o médico dentista, o paciente e o médico especialista que o segue nessas doenças.

Os implantes podem ou não ser rejeitados?

O organismo não rejeita os implantes dentários, uma vez que são feitos de um material específico (titânio ou zirconia) que o corpo não identifica como estranho.

No entanto, os implantes dentários podem falhar a sua fixação ao osso, quer no período imediatamente após a sua colocação, quer no longo prazo. Essas falhas são raras e estão normalmente associadas a um conjunto de factores bem identificados: mau planeamento inicial, complicações pós-cirúrgicas, infecção crónica dos tecidos à volta dos implantes (conhecida como peri-implantite), tabagismo, má higiene oral e incorrecta manutenção dos implantes.

Fazer implantes dentários ou fazer pontes sobre dentes?

Ambos os tratamentos são soluções fixas possíveis e duráveis para a substituição de dentes em falta. Há no entanto vantagens e desvantagens em cada uma delas.

Pontes fixas sobre dentes: é um tratamento mais rápido, não envolve cirurgia, mas implica desgastar os dentes adjacentes ao dente em falta para a realização da ponte.

Implantes dentários: implica a realização de uma pequena cirurgia para a colocação dos implantes no osso, mas não envolve o desgaste de dentes saudáveis.

É possível fazer implantes com anestesia geral?

Sim, no Hospital CUF Descobertas, onde temos a nossa consulta, é possível realizar a cirurgia para a colocação de implantes dentários sob anestesia geral com todo o conforto. A anestesia geral é uma excelente alternativa para a colocação de implantes em pacientes com medo ou fobia da cirurgia ou da consulta de medicina dentária.

É possível realizar o pagamento de um tratamento de implantes em prestações?

Sim, após a primeira consulta em que é estabelecido o plano e o orçamento do tratamento, caso não seja possível suportá-lo financeiramente, existe a possibilidade de fraccionar os pagamentos em prestações.

Se viver no estrangeiro é possível realizar as várias etapas de um tratamento de implantes numa só deslocação?

Uma percentagem significativa dos nossos pacientes reside no estrangeiro. É possível organizar a consulta de modo a que possa realizar a primeira e a segunda etapas do tratamento com implantes dentários numa só deslocação. A terceira etapa do tratamento – colocação dos dentes fixos definitivos em cerâmica – por necessitar de um período de espera de 3 a 6 meses após a colocação dos implantes, deverá ser realizada numa segunda deslocação. Ambas as deslocações implicam uma estadia aproximada de uma semana a 15 dias.

É possível colocar osso para a realização de um tratamento com implantes dentários?

Em caso de insuficiência óssea severa, que impossibilite a colocação de implantes dentários, existem algumas alternativas: a realização de um enxerto ósseo prévio à colocação dos implantes, ou a realização de implantes zigomáticos que são implantes que se fixam num osso que existe por cima do maxilar superior.

Como se devem manter os tratamentos de implantes dentários?

Os tratamentos fixos com implantes dentários devem ser mantidos com uma higiene oral diária muito semelhante à higiene oral dos dentes naturais, mas com algumas ligeiras modificações. Adicionalmente deve ser realizada uma consulta anual de controlo com o Médico Dentista e uma consulta anual ou semestral com a Higienista Oral.

Localização
Pedido de contacto para marcação de consulta

    Muito obrigado pela sua confiança. Entraremos em contacto consigo nas próximas 24horas.
    Morada

    Hospital CUF Descobertas
    Edifício 2, Piso 5, Gabinete 4
    Rua Mário Botas 1998-018 Lisboa
    PORTUGAL

    Horário

    Segunda a Quinta-feira
    8h30 às 19h00

    Sexta-feira
    8h30 às 13h00

    ⓒ 2020 HUGO COSTA LAPA – MEDICINA DENTÁRIA DE EXCELÊNCIA